Comandos: a maioria não resiste e acaba por desistir

autoria Ana Marques Maia

// data 02/01/2018 - 18:40

// 17616 leituras

É o sentido de auto-superação, segundo o jornal Expresso, que move parte dos jovens que se alistam nos Comandos do Exército Português; a admiração pelas forças especiais, a influência familiar e a busca de adrenalina também desempenham um papel importante na tomada de decisão. A maioria dos recém-chegados são do norte do país, têm entre 19 e 21 anos e mais de metade tem, ou já teve, familiares directos a desempenhar funções nas forças armadas. O projecto Mama Sumae — expressão que significa “Aqui estamos, prontos para o sacrifício” — resulta de oito meses de incursão do fotógrafo Tiago Miranda no âmago deste pelotão. A série de fotografias foi destacada pelo prémio de fotojornalismo Estação Imagem, em 2017, na categoria Notícias.

 

Rigor, disciplina e espírito de corpo são os valores que sustentam este grupo. Nas primeiras semanas, o treino é de exigência média em comparação com o que se segue: treinos com armas de fogo, longas marchas na montanha com peso às costas, exercícios de resistência física que envolvem rastejar ou rebolar em solos irregulares dão origem às primeiras lesões. No conforto do quartel, porém, os recrutas estão longe de imaginar a pressão a que estarão expostos algumas semanas depois, com a chamada “semana de campo”. Dormir ao relento, passar frio, fome e sede são algumas das dificuldades que terão de enfrentar. Aplicam-se técnicas de sobrevivência: caça de animais, ignição de fogo, purificação de água para consumo, preparação de abrigos. Os níveis de stress são elevados, a exigência física e psicológica são testadas ao extremo.

 

A maioria não resiste e acaba por desistir.

 

Mama Sumae encontra-se em exposição até 13 de Janeiro no Palácio D. Manuel, no Jardim Público de Évora, em conjunto com os trabalhos de Jesús MadriñánJoão PinaAna BrígidaJoão FerreiraPaulo Pimenta (fotojornalista do PÚBLICO), entre outros.

Eu acho que