Porto: com o novo Matadouro vamos passear por cima da VCI

autoria Mariana Durães

// data 30/05/2018 - 15:29

// 8983 leituras

Já é conhecido o vencedor do concurso para a renovação e reconversão do Antigo Matadouro do Porto, em Campanhã. O projecto é da autoria do arquitecto japonês Kengo Kuma, em colaboração com os arquitectos portugueses da Oporto Office for Design and Architecture (OODA), num consórcio liderado pela Mota-Engil. A proposta pretende reinventar o espaço, que antigamente se constutuía como uma fonte económica e de desenvolvimento para a zona Oriental da cidade, e potenciar a zona, dando-lhe dinâmica e atractividade empresarial e social.

 

Está prevista a existência de uma cobertura que une o antigo e o novo edifício, bem como uma passagem pedonal — do Matadouro para a zona do Estádio do Dragão, por cima da Via de Cintura Interna (VCI) —, o que confere unidade ao complexo, mantendo a herança histórica. O desenho e o movimento da cobertura servem como pontos de referência e orientação, criando impacto visual para quem atravessa a VCI. Simultaneamente, a passagem pedonal funciona como jardim, telhado e miradouro para a zona Oriental do Porto, como a imagem 6 desta galeria mostra. O telhado pode ser utilizado durante todo o ano: garante sombra para dias de sol e assegura abrigo em grande parte do recinto para os dias de chuva. 

 

O projecto prevê ainda a existência de espaços virados para o lazer e actividades culturais e artísticas, tais como uma zona descanso num terraço elevado (imagem 8), salas para exposições (3 e 9), uma biblioteca que poderá também ser palco de pequenos eventos (10) e um restaurante e laboratório gastronómico (12). Apesar do desenho inovador, que se assemelha às grandes infra-estruturas adjacentes, o projecto prevê a utilização de materiais que remetem para a memória da construção local, como a telha cerâmica, elementos metálicos, vidro e vãos fabris.

 

Kengo Kuma já projectou obras como o novo Estádio Nacional de Tóquio, o Suntory Museum of Art (também na capital japonesa) e a sede do grupo Louis Vuitton, no Japão. Cabe-lhe agora levar a cabo a reconversão do Antigo Matadouro, que representa um investimento de 40 milhões de euros, totalmente suportado por privados. 

Eu acho que