Nelson Garrido

Protesto

“Se não me conheces, não me chames querida”: Portugal vai marchar contra o assédio

Lisboa, Porto, Coimbra e Braga juntam-se a protesto internacional que exige igualdade e combate o assédio sexual em espaço público. Marcha das Mulheres acontece no dia seguinte à tomada de posse de Donald Trump. E não é por acaso

Texto de Mariana Correia Pinto • 19/01/2017 - 17:57

Distribuir

Imprimir

//

A A

Estávamos em Outubro quando a discussão se iniciou. Um grupo de activistas a sentir-se num mundo ainda “muito desigual”, sentiu necessidade de pôr na agenda uma campanha contra o assédio sexual no espaço público. Naquela altura, com as eleições norte-americanas na recta final, eram “todos os dias bombardeadas com mais uma ofensa” de Donald Trump. E a urgência subia de tom. Amanhã, activistas de quatro cidades portuguesas — Lisboa, Porto, Coimbra e Braga — saem à rua (15h) num protesto internacional com epicentro em Washington que deve juntar mais de um milhão de pessoas em mais de 600 cidades um pouco por todo o mundo.

 

São activistas, associações, colectivos e até partidos políticos. E não são apenas mulheres, ainda que o nome da manifestação — “Marcha das Mulheres” — o sugira. Palavra a Andrea Peniche, uma das organizadoras do protesto, que falou com o P3 por e-mail: “Marcharemos em defesa da justiça climática, dos direitos de quem trabalha, do precariado, dos e das imigrantes, das e dos refugiados, das pessoas portadoras de deficiência, das pessoas LGBTQ+, dos e das trabalhadoras sexuais. Marcharemos contra Trump e contra Temer.”

 

O frio parece afastar os transeuntes da Rua de Santa Catarina, no Porto. Mas a missão é para ser cumprida. Patrícia Martins, activista e também organizadora do protesto, vai caminhando de panfletos de promoção da marcha nas mãos. Nos pequenos papéis vê-se o desenho de uma mulher e a frase “Se não me conheces não me chames querida”. Entrega-os a quem os aceita, avisa que não é publicidade. Entra em diálogo de quando em vez:

— “Isto é mesmo para mulheres”, reage um homem ao passar os olhos na mensagem.

— “Para mulheres e para homens. Quer que lhe explique?”

Ao lado de quatro activistas (um deles homem), Patrícia vai fazendo o relato. A luta, sublinha, deve ser de todos. Para lá do género. Porque a desigualdade “tem sexo e geografias”. Pontos nos is colocados por Andrea Peniche, que reconhece que a criminalização do assédio sexual em espaço público em Portugal, em 2015, “significou um grande avanço”. Mas da teoria à prática, lamenta, vai uma grande caminhada: “Creio que as coisas continuam mais ou menos iguais, não só porque as práticas são difíceis de mudar e demoram tempo, mas também porque a discussão, de repente, deixou quase de se fazer.”

 

A “necessidade de alerta permanente” quando anda na rua, especialmente à noite e quando está sozinha, é um incómodo, diz: “Sentir a rua como espaço de potencial agressão é uma coisa horrível. Os piropos são uma agressão, são foleiros e, ao contrário do que dizem, acontecem com muita frequência.”

 

Do assédio a outras desigualdades...

Ainda que tenha o “combate ao assédio sexual em espaço público” e a “construção da igualdade” como focos, a campanha em Portugal pretende ser mais alargada. E “inspira-se” no presidente norte-americano, que toma posse esta sexta-feira, com o slogan “Não sejas Trump”. “[Ele] personifica tudo aquilo que recusamos, do machismo à homofobia, da atitude classista ao racismo”, explica Andrea Peniche.

 

A campanha — que pode ser acompanhada na página Parar o machismo Construir a Igualdade — conta com o apoio de mais de 30 associações e de várias figuras públicas, como Capicua ou o escritor Richard Zimler. E a “batalha”, desvenda Andrea Peniche, pode não ficar por aqui: “Ainda não conversámos sobre o futuro, mas estou certa que com tanto que há para fazer, em ano de autárquicas, ainda por cima, não faltarão ideias e vontade de voltarmos a fazer coisas em conjunto.”

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que