Unsplash

Crónica

Um brinde aos que cá estão

Afinal de contas o fim traz a mudança e a maioria de nós oferece uma enorme resistência àquilo que é diferente, ao que muda… mesmo que seja para melhor

Texto de Catarina Basto Viana • 01/02/2016 - 16:21

Catarina Basto Viana é pós-graduada em Comunicação Empresarial

Distribuir

Imprimir

//

A A

Não gosto da palavra fim. Não gosto da forma como soa e muito menos me apraz o seu significado. Estou a generalizar, é um facto. Mas, e tendo em conta a minha ainda curta experiência por cá, o fim de algo traz inevitavelmente dôr, ressentimento e uma estranheza à qual é difícil a adaptação.

 

Afinal de contas o fim traz a mudança e a maioria de nós oferece uma enorme resistência àquilo que é diferente, ao que muda… mesmo que seja para melhor.

 

Reflito sobre tudo aquilo que passou. Tenho esta terrível tendência de me deixar ficar presa ao que foi e já não é, ao que partiu e não regressa. Uma mania tão humana quanto assustadoramente infeliz e “cómoda”. Uma verdadeira perda de tempo.

 

Aos poucos vou-me convencendo que há capítulos ao longo do meu percurso que se vão encerrando e que não está ao meu alcance alterar essa realidade. Por isso, vou-me deixando andar, tentando a todo o custo livrar-me da mágoa que muitas vezes me acorda a meio da noite e me segreda ao ouvido: não foi a primeira, nem será a última. Desilusão digo.

 

Levanto-me e prometo a mim mesma que não derramarei nem mais uma lágrima por quem já não faz parte, pelas pessoas que foram pregar para outra freguesia sem sequer olharem para trás. Apenas foram e não voltaram.

 

E aí aceito que chegou o tal Fim, aquele que tinha que chegar algum dia. Vou-me reeducando para deixar esses milhares de “finais” no fundo do armário mais escondido de um quarto na cave, para dar lugar ao hoje e ao amanhã. Brindemos, então, às continuações que já cá estão e aos inícios que ainda virão.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que