Índia: corpos musculados para mudar de vida

autoria Luís Octávio Costa

// data 17/04/2018 - 10:20

// 3871 leituras

Ajiith faz parte de uma equipa de atletas do Sul da Índia. Espera transformar o culturismo numa carreira e um dia competir a Mister Universo. Os costumes determinam que um indiano não deve despir-se em público e por isso acedeu a ser fotografado num dia de chuva, quando ninguém o veria.

 

A fotografia faz parte da série Tight — finalista no concurso internacional de fotografia Zeiss, promovido pela Zeiss em parceria com a World Photography Organisation —, que levou Mark Leaver ao sul da Índia para tentar perceber o que significa ser hoje um jovem naquele país. "À medida que a globalização transforma rapidamente a tradicional sociedade conservadora da Índia, o mundo engordurado do culturismo é a janela perfeita para ver essas mudanças sociais mais amplas na vida de jovens comuns. Mais do que qualquer outro desporto, o culturismo e seu crescimento explosivo são emblemáticos da Índia contemporânea e de sua nova classe média", descreveu ao P3 o autor do projecto.

 

Em Janeiro do ano passado, Mark e o realizador de cinema Elliott Gonzo estavam na Índia a "brincar com algumas ideias documentais" quando tropeçaram num pequeno ginásio em Tamil Nadu que fez ruir muitos dos preconceitos que sentiam por aquele país. "Espantados com os homens indianos super musculados, descartamos todos os planos de viagem. A partir daí ficamos naquela cidade e seguimos os bodybuilders todo o dia, documentando as suas vidas."

 

Depois de uma primeira incursão neste universo, voltaram a Londres para rever o trabalho, mostraram-no a algumas pessoas e receberam a notícia de que Ajiith havia sido seleccionado para o concurso de Mister Índia, no Punjab, em Dezembro de 2018. "Sabíamos que tínhamos que voltar e seguir a história até à competição. Então, juntamo-nos a Alex King, jornalista/produtor e voltamos por mais um mês." Para além da série de fotografias, também foi produzido em documentário com o mesmo nome.

 

"Naturalmente", diz Mark, ganhar a confiança dos atletas foi o primeiro desafio. "Como em qualquer projecto, foi um começo lento. Especialmente quando pedimos aos homens para se despirem para as fotos… Isso é ainda mais problemático na Índia devido à natureza tradicional da sociedade", explica o fotógrafo. "Ao todo, passámos quase dois meses na Índia, principalmente na pequena cidade de Nagercoil. As pessoas acabaram por entender e respeitar o nosso compromisso com o projecto e apoiaram-nos imensamente. Ficamos impressionados com a quantidade de culturistas e não culturistas que nos ajudaram e nos apresentaram a novas pessoas porque acreditavam na nossa história."

 

Apesar dos "crescentes sinais de prosperidade" detectados, a Índia "continua a ser um país onde há mais pessoas do que oportunidades", conclui Mark Leaver. "Os jovens transformam-se cada vez mais em homens musculados super-humanos, para se colocarem frente a frente numa dura competição por poder, prestígio, mulheres e riqueza." A série, diz, "revela os sonhos e as aspirações de uma nova geração de indianos", a sua vontade de "virar as costas à tradição". "Muitos são os que estão dispostos a sacrificar-se, incluindo a sua própria saúde, na esperança de ganhar uma vida melhor."

 

Garden of Delight, do belga Nick Hannes, foi a série vencedora da presente edição do concurso Zeiss. O trabalho dele e dos finalistas estará na Somerset House, em Londres, de 20 de Abril até 6 de Maio.

Eu acho que